O verdadeiro Natal: Jesus

O verdadeiro Natal: Jesus

Sempre que chega dezembro percebemos a “atmosfera nataliana” da nossa cultura ocidental. Natal é para nós, uma época onde trocamos presentes, nos reunimos com amigos e celebramos o amor. Tudo por causa do nascimento histórico de um menino: Jesus de Nazaré. Ele é, sem dúvidas, o personagem histórico mais conhecido da humanidade. Judeu descendente da tribo de Judá; seu pai era carpinteiro; Jesus viveu no período que o Império romano dominava a europa, oriente médio e norte da áfrica. Nascido em Belém de Judá a pouco mais de 2000 anos atrás, cresceu em Nazaré de onde vem seu apelido “nazareno”. Jesus é um nome duplamente transliterado: primeiro do grego Iesus e depois do hebraico Yeshua. Apesar de não haver provas concretas sobre a real data do seu nascimento, tradicionalmente a maioria das pessoas tiram o dia 25 de dezembro, no calendário Gregoriano, para se lembrar do nascimento daquele que é o salvador do mundo.

A crença popular nesse homem deixa algumas perguntas às vezes pouco exploradas e respondidas no pensamento de muitos. Salvar o mundo de quê? Pra quê? Por quê Jesus nasceu? Por quê ele teve que vir? Por que um judeu nascido a mais de dois milênios é tão importante a ponto do seu nascimento ser lembrado hoje pelas pessoas mesmo não se sabendo a data precisa desse acontecimento? Tentar responder essas perguntas é um convite a ir fundo na história de Israel e do povo judeu.

Os primeiros a difundirem a fama de Jesus pela terra foram homens que andaram com o próprio Jesus durante seus últimos três anos e meio aqui na terra. Eram chamados pelo próprio Jesus de discípulos e apóstolos (um termo da época que significa enviado). Eles receberam a missão de espalhar as boas novas de salvação que seu Mestre lhes designara. Eles deram a sua vida para difundir a mensagem do Nazareno Jesus, pois eles entendiam quem era esse filho de José e Maria nascido num estábulo, e isso foi o que mudou completamente suas vidas e perspectivas. Eles entendiam, ou melhor, lhes fora revelado que esse homem na verdade era o Messias que haveria de vir.

O termo Messias vem do hebraico Mashíach e significa “Ungido”. Quando traduzido para o grego temos Christós que é de onde vem a palavra “Cristo” e que também significa “O Ungido; O Consagrado”. A figura do Messias dentro da cultura judaica é muito forte e viva por que Ele é endossado e enviado por Yahweh (Deus), O Criador de todas as coisas, o único Deus, O Soberano. O judeu entende que Yahweh fez criação e homem para um propósito perfeito e santo. Porém, algo acontece que quebra a perfeita ordem: o pecado. Mas Yahweh demonstra seu amor e misericórdia se envolvendo num plano de restaurar a ordem original de todas as coisas.

Concluindo; antes de Yeshua (Jesus) nascer, Yahweh (Deus) predisse através de seus profetas e registrou na Tanakh (os escritos hebraicos sagrados; o Antigo Testamento da Bíblia) que enviaria o seu Mashíach (Ungido). O nascimento de Jesus foi anunciado muito antes por Deus e registrado nas Escrituras.

Hoje os profetas antigos estão mortos, mas nós temos a Palavra escrita de Deus e ela testemunha a respeito de Jesus Cristo. Se quisermos conhecer esse homem temos que ir para a Palavra. A Palavra de Deus é o local onde vamos encontrar os mais ricos testemunhos a respeito do homem Jesus. João, seu discípulo, chega a declarar que na verdade Ele é a própria Palavra. Então vamos para as Escrituras!

“Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós.” João 1:14

 

NO PRINCÍPIO

Gênesis 1 e 2 contam como Deus criou, posicionou e ordenou toda a sua criação e o capítulo 3 relata a respeito da queda do homem. Deus cria o homem a sua imagem e semelhança, o abençoa, o coloca num jardim, tem encontros cotidianos com ele e o homem se rebela contra o seu Criador. A serpente engana homem e mulher e os convence a comerem do fruto que os levaria a morte. Assim o pecado entra no mundo e agora a morte domina sobre a humanidade. Mas Deus desde o princípio revela seu caráter redentivo ao falar de um descendente da mulher. Ele declara a serpente:

“Porei inimizade entre você e a mulher, entre a sua descendência e o descendente dela; este lhe ferirá a cabeça, e você lhe ferirá o calcanhar”. Gênesis 3:15

A promessa é de que do ventre da mulher sairá um que acabará com o poder daquele que influencia o homem a se rebelar contra Deus e pecar. A morte entra no mundo por intermédio de um homem, mas há de nascer outro homem que destruirá a serpente que nos enganou.

 

O REI

Olhando para as escrituras nós observamos Deus chamar um homem chamado Abraão e o plano de Deus é fazer surgir uma nação específica a partir dele: Israel. O tempo passa e nós vemos profecias a respeito de uma figura que exerça poder e governo não só sobre Israel, mas sobre todas as nações. A promessa de um rei da linhagem judaica começa quando Jacó abençoa seu filho Judá:

“O cetro não se apartará de Judá, nem o bastão de comando de seus descendentes, até que venha aquele a quem ele pertence, e a ele as nações obedecerão.” Gênesis 49:10

Olhando para esse texto podemos entender fatos bem interessantes: Judá teria descendentes com influência de governo e comando e isso passaria de geração em geração até que chegasse um descendente específico na qual pertence o governo das nações. Essa benção que Judá recebe é o início de algumas profecias de um rei que viria.

Davi, o rei mais celebrado que Israel já teve, recebe palavras específicas a respeito dessa realidade:

“Quando a sua vida chegar ao fim e você descansar com os seus antepassados, escolherei um dos seus filhos para sucedê-lo, um fruto do seu próprio corpo, e eu estabelecerei o reino dele. Será ele quem construirá um templo em honra do meu nome, e eu firmarei o trono dele para sempre.” 2 Samuel 7:12-13

Uma forma de entender essa profecia é levando em consideração seus dois aspectos: O seu cumprimento instantâneo e o cumprimento em plenitude. No cumprimento instantâneo nasce Salomão (filho de Davi) e constrói o templo, mas hoje em dia não temos mais os descendentes de Salomão num trono em Israel. A promessa em plenitude fala de um Rei da linhagem de Davi reinando eternamente. Perceba que para alguém reinar eternamente deve ser alguém que não morra e que vença a grande questão da morte na humanidade. Aos poucos as profecias começam a se fundirem.

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz. Do aumento do seu governo e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o estabelecer e o fortificar em retidão e em justiça, desde agora e para sempre; o zelo do Senhor dos exércitos fará isso.” Isaías 9:6-7

Isaías foi um profeta que profetizou das mais variadas formas de como o Messias se manifestaria. A figura de um Rei Ungido enviado da parte de Deus é fortalecida nos corações e na convicção de Israel.

 

O PROFETA

Profetas em Israel eram pessoas bem peculiares. Quando profetizavam tinham a missão de falar exatamente as palavras de Deus. Eram comunicadores entre os pensamentos de Deus e o seu povo, e normalmente encarnavam a mensagem que carregavam. Sinais e visões endossavam a autoridade divina de suas palavras diante do povo e dos reis. A missão do profeta era transmitir as autênticas palavras de Deus.

Moisés foi um dos, senão o maior, profeta que Israel já teve. Ele escreveu a Torá (os cinco primeiros livros da Bíblia) e recebeu toda a Lei por inspiração. Muitos sinais e maravilhas acompanhavam Moisés, e isso significava o peso e autoridade de suas palavras e suas ações. A Bíblia relata que ele conversava com Deus face a face (Ex 33:11) e muitas são as suas conversas com o Todo-Poderoso. A sua vida é sem dúvida um exemplo de um legítimo amigo de Deus; um profeta.

Apesar do testemunho de Moisés, o Senhor fala com ele em Deuteronômio sobre um outro profeta:

“O Senhor me disse: “Eles têm razão! Levantarei do meio dos seus irmãos um profeta como você; porei minhas palavras na sua boca, e ele lhes dirá tudo o que eu lhe ordenar.” Deuteronômio 18:17-18

Esse é um poderoso testemunho do Senhor a respeito de um profeta. Vejamos Isaías em mais uma profecia messiânica:

“O Espírito do Soberano Senhor está sobre mim porque o Senhor ungiu-me para levar boas notícias aos pobres. Enviou-me para cuidar dos que estão com o coração quebrantado, anunciar liberdade aos cativos e libertação das trevas aos prisioneiros, para proclamar o ano da bondade do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; para consolar todos os que andam tristes,” Isaías 61:1-2

Em Israel, era da certeza de todos que o Messias carregaria as próprias palavras de Deus.

 

O SACERDOTE

Sacerdotes podem parecer figuras ainda mais peculiares que os profetas. Na visão da maioria, pensa-se em sacerdote como aquela pessoa com roupas religiosas e que faz rituais religiosos. Mas, na verdade o sacerdote é alguém que serve diante de Deus e diante dos homens. Ele é apto para se aproximar de Deus pois o conhece. Em Êxodo 19 quando Israel chega ao Sinai fica claro quando Deus chama seu povo para ser uma nação sacerdotal. Apesar de Israel não corresponder a isso da melhor forma, Deus ainda assim separa uma das tribos (Levi) para carregar a responsabilidade sacerdotal da nação.

Quanto ao Messias e ao sacerdócio, Davi profetiza no Salmo 110 algo que vale a pena nós observarmos:

“O Senhor disse ao meu Senhor: ‘Senta-te à minha direita até que eu faça dos teus inimigos um estrado para os teus pés.’ O Senhor jurou e não se arrependerá: ‘Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.’” Salmo 110:1,4

Esse é um dos versículos mais enigmáticos da Bíblia. Ele cita um rei-sacerdote chamado Melquisedeque que abençoa a Abraão depois de uma batalha em Gênesis 14:17-20. O salmo fala de um sacerdócio messiânico superior ao de Levi. Outra porção que podemos levar em consideração é João 4. A mulher samaritana diz:

“Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar… Eu sei que o Messias (chamado Cristo) está para vir. Quando ele vier, explicará tudo para nós.” João 4:20,25

Esses versículos nos mostram a fama de que o Messias iria dar orientação em como se aproximar de Deus e tornar as pessoas aptas a servirem o Altíssimo.

Ele construirá o templo do Senhor, será revestido de majestade e se assentará em seu trono para governar. Ele será sacerdote no trono. E haverá harmonia entre os dois.” Zacarias 6:13

Essa profecia de Zacarias é mais um anúncio de um rei-sacerdote governando.

 

O CUMPRIMENTO DAS ESCRITURAS

Os fatos que cercam o nascimento e a vida Jesus representam o cumprimento de muitas profecias no antigo testamento. Alguns dos principais exemplos são:

  • O seu nascimento de uma virgem:

“Por isso o Senhor mesmo lhes dará um sinal: a virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel.” Isaías 7:14

  • O seu nascimento em Belém de Judá:

“Mas tu, Belém-Efrata, embora sejas pequena entre os clãs de Judá, de ti virá para mim aquele que será o governante sobre Israel. Suas origens estão no passado distante, em tempos antigos.” Miquéias 5:2

  • A sua casa em Cafarnaum:

“Contudo, não haverá mais escuridão para os que estavam aflitos. No passado ele humilhou a terra de Zebulom e de Naftali, mas no futuro honrará a Galiléia dos gentios, o caminho do mar, junto ao Jordão. O povo que caminhava em trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam na terra da sombra da morte raiou uma luz.” Isaías 9:1,2

  • A sua obra redentora sobre os nosso pecados:

“Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniqüidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados.” Isaías 53:5

 

JESUS, O REI-SACERDOTE-PROFETA

Citamos apenas algumas das centenas de profecias a respeito do Messias nas Escrituras. O trabalho dos discípulos de Jesus era, como testemunhas oculares, propagar a mensagem que o seu Mestre lhes tinha designado pois eles sabiam que Jesus é o cumprimento de cada palavra falada por Deus por intermédio dos profetas. Jesus é o Messias Rei-Sacerdote-Profeta. Ele é Rei e reinará para sempre pois vive eternamente. Ele é sacerdote pois serve diante de Deus, intercede por nós e nos aproxima dEle. Ele é profeta pois transmite as palavras de Deus, ou melhor, Ele é a própria Palavra encarnada (João 1:14).

O evangelho de Mateus no capítulo 16:13-20 nos relata quando Jesus pergunta aos seus discípulos a respeito de quem eles diziam quem ele era. Então Pedro o responde:

“Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Mateus 16:16

Essa declaração de Pedro é, nas palavras do próprio Jesus, algo dado unicamente pelo próprio Deus. Jesus, completamente homem, completamente Deus, o Messias judeu, o Rei-Sacerdote-Profeta. Jesus é o maior homem que já nasceu nesse mundo e ainda assim se fez servo, humilhou-se e morreu pelos homens para que nEle fosse derrotado o pecado que nos leva a morte. Ele ressucitou dentre os mortos para demonstrar que a morte não tem poder sobre ele e que nEle nós temos a vida eterna.

Diante disso, comemorar apenas um dia de natal parece algo pequeno em comparação com o que recebemos através de Jesus. É necessária uma vida direcionada a conhecê-Lo para verdadeiramente usufruir do profundo amor que Ele derramou sobre nós. A minha oração é que a revelação divina de Jesus alcance em profundidade as vidas e que amor e esperança abundem nos corações.

“Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens aos quais ele concede o seu favor.” Lucas 2:14

Deixe uma resposta

Fechar Menu

O Futuro

Dwayne Roberts

A esperança sustentada pela fé cristã revela-se na grande manifestação do retorno de Jesus. Conhecer os aspectos da volta de Cristo é justamente o que nos ajudará a cultivar uma vida de fidelidade e sabedoria para a eternidade.

Em “O Futuro” teremos uma visão geral das passagens bíblicas que enunciam o propósito da segunda vinda, a partir da construção de uma linha temporal que abrange a primeira vinda, a motivação da cruz e o retorno de Cristo.

Tudo isso certamente culminará não somente em uma compreensão racional dos eventos futuros, mas irá gerar em nós uma visão de eternidade. Essa visão nos levará a caminhar com o desejo genuíno de agradar ao Senhor e a nos posicionar a partir da expectativa daquilo que está por vir.

Seremos chamados a despertar sobre a realidade da volta de Cristo, vigiando e orando constantemente como um ato de preparação, sabendo que Cristo não nos chama para sucesso ou fracasso, Ele nos chama unicamente à fidelidade.

Na espera por Cristo, somos convidados a cultivar intimidade com Ele em nossos corações, por intermédio do nosso relacionamento com Deus e do zelo pelo Senhor, elevando nossas obras à recompensas celestiais e não terrenas.

Crescendo nos Dons Espirituais

Esta matéria vai desenvolver o Espírito de revelação na vida do cristão, a fim de capacitá-lo para andar em maturidade nos Dons do Espírito. É o Espírito profético que desenvolve o testemunho de Jesus em nossas vidas e nos empodera, dando graça para amadurecermos e crescermos nos dons espirituais. Durante essas aulas vamos examinar os dons espirituais e aprender a executá-los melhor, andando em maturidade e liberdade para ministrar ao perdido, ao quebrado e à igreja.

A vida do Rei Davi

Dale Anderson

Davi viveu por volta de 1000 a.C. e foi o terceiro rei de Israel. Sua história é relatada de I Samuel 16 a II Samuel 1:1. Ele foi um rei popular e o personagem do Antigo Testamento mais vezes mencionado na Bíblia. Davi foi o oitavo filho de Jessé e morava em Belém.

Durante o estudo de “A Vida do Rei Davi”, observaremos como se desenvolveu o destino do menino que pastoreava as ovelhas do seu pai e veio a se tornar uma das figuras mais importantes da história de Israel, um rei cujo o grande impacto foi além das fronteiras de sua nação e se estende por gerações.

Veremos não apenas os acontecimentos da vida do homem segundo o coração de Deus, mas quais aspectos de seu caráter e identidade foram tocados e transformados ao ter seu coração exposto às dificuldades, bênçãos e desafios da jornada que lhe foi proposta pelo Senhor.

O pastor, o herói, o guerreiro, o musicista adorador, o rei conquistador de nações. Descubra conosco como o posicionamento de coração de um frágil, porém, sincero amigo de Deus diante das situações que viveu tiveram tão profundo impacto.

Cantares de Salomão

Jennifer Roberts

Cantares é uma canção de amor escrita pelo Rei Salomão para a sua amada Sulamita. Dentre as mais de mil canções que compôs, ele considerou esta a maior de todas elas.

Além de sua interpretação natural como uma canção sobre o amor entre um homem e uma mulher, devido à natureza alegórica da linguagem com que foi escrito, há outra interpretação bastante comum aplicada a este livro. Esta interpretação trata da perspectiva das verdades espirituais sobre o relacionamento entre Jesus e a Sua Noiva descritas por trás desta história natural, em uma linguagem poética.

Nosso objetivo ao estudarmos o livro de Cantares é encontrar, à luz do Novo Testamento, as verdades acerca das emoções de Deus para conosco, buscando entender de que forma respondemos a elas nas diferentes estações de nossas vidas, que estão refletidos neste cântico. Entender as emoções de um Deus que nos ama mesmo em meio às nossas fraquezas e que deseja se relacionar conosco no decorrer de toda a nossa jornada, nos faz confiantes em Seu amor por nós. Essa confiança nos capacita a amá-Lo de volta com todo o nosso coração, alma, mente e forças.

Desvendar “Cantares de Salomão” é uma ferramenta importante que nos leva a perceber o coração do Deus-Noivo e nos faz desfrutar das maravilhosas recompensas encontradas ao perceber as Suas afeições na história que Ele está escrevendo conosco.

Sermão do Monte

Dwayne e Jennifer Roberts, Webb Venga e Vinicius Sousa.

O “Sermão do Monte” é um discurso de Jesus Cristo, que pode ser lido nos Evangelhos de Mateus e de Lucas. Ao longo deste sermão, Jesus ensina lições de conduta e moral, ministrando os princípios que orientam a verdadeira vida cristã. Essa vida conduz a humanidade ao Reino de Deus. Nos aprofundaremos em cada assunto abordado por Jesus, que ensinou a todos que o ouviam e estes desfrutaram de palavras  cheias de sabedoria e instrução e viram Jesus expressar Seu desejo por retidão e justiça ao ensinar.

Estudaremos as bem-aventuranças e a sua importância; veremos tópicos como a pobreza de espírito, o lamento, a mansidão e a fome espiritual; entraremos em assuntos como misericórdia, pureza, pacificação e perseguição e estudaremos o impacto do reino ao sermos sal e luz.

O Sermão do Monte também trás os ensinamentos de Jesus sobre como vencer o espírito de homicídio, como vencer o espírito de imoralidade, como honramos o matrimônio e nossos compromissos, como substituir o amor passivo pelo amor ativo, como vencer a ansiedade e o medo, além de temas como “devemos ou não devemos julgar alguém?”.

Esse estudo marcará nossa caminhada cristã e nos ajudará, através das Escrituras, a colocar em prática o Sermão do Monte vivendo conforme disse Jesus: “Portanto, sejam perfeitos, assim como o seu Pai celestial é perfeito”. Mateus 5:48

A Majestade de Cristo

Allen hood

O conhecimento de Jesus Cristo não é apenas um meio de salvação para o perdido, é também um meio de santificação para os cristãos. A estratégia de Deus para conduzir a Igreja à plenitude é destacar a glória de Seu Filho, fazendo com que a Igreja O ame de forma madura. Nada a respeito da graça de Deus é mais poderoso do que Sua revelação ao coração humano. Sua revelação transforma nossas emoções, nossos pensamentos e satisfaz nossos corações. A revelação mais transformadora e emocionante de Deus é Jesus Cristo. Deus se fez conhecido através do Seu Filho, Jesus!

Em “A Majestade de Cristo” iremos percorrer a Bíblia de Gênesis à Apocalipse. Nessa jornada estudaremos as profecias do Antigo Testamento que se cumpriram na primeira vinda de Jesus, bem como aquelas que ainda se cumprirão no Reino que está por vir.

Abordaremos também o coração do Noivo; o princípio de contemplar e se tornar; a preexistência de Cristo; Sua encarnação; Sua divindade; os atributos de Sua humanidade; Sua mansidão; Seu zelo; Seu ciúmes; a crucificação; a multiforme beleza da salvação; a vitória da Ressurreição e o retorno do Rei.

Descobrindo a Beleza de Deus

Dale Anderson

Nossa confiança em reconhecer a voz de Deus e experimentar Sua beleza aumentará a medida que entrarmos em contato com as verdades de quem Ele é em “Descobrindo a Beleza de Deus”.

Abordaremos assuntos como cosmovisão, que é a estrutura por meio da qual alguém entende e percebe a vida. Por esse motivo, a cosmovisão influencia a maneira como alguém percebe Deus, a origem de tudo, o mal, a natureza humana, os valores e o destino. É possível definir a cosmovisão como o filtro através do qual uma pessoa enxerga o mundo. Como cristãos, baseamos nossos valores na infalível Palavra de Deus e essa é a nossa cosmovisão bíblica. Cremos inteiramente na verdade da Palavra de Deus, sendo ela o fundamento de nossas vidas.

Teremos a oportunidade de compreender melhor as emoções de Deus, percebendo que as emoções humanas são diferentes das emoções do Criador. E aprenderemos sobre a importância de definir religião e espiritualidade.

Estudaremos também os hinos e as descrições de Jesus encontradas no livro de Apocalipse e estudaremos vários aspectos da natureza de Deus descritos na Palavra. Isso nos ajudará a obter uma revelação mais ampla a respeito de quem Jesus é e portanto, da excelência da Sua beleza.

Conexão com Deus

Dwayne Roberts

A vida de oração não é apenas um canal que nos aproxima de Deus, mas é também a fonte que nos conecta ao sentido original da criação e a nossos propósitos individuais.
A intimidade com Senhor é essencial para construir as bases da vida de um cristão que deseja se tornar maduro. Entendemos isso quando percebemos que essa intimidade direciona o coração humano para responder em amor voluntário e devoto ao Senhor sem que isso seja uma mera obrigação.

Em “Conexão com Deus” veremos que conhecer os desejos do coração de Jesus significa caminhar em um modelo que nos levará a uma parceria grandiosa. Conhecê-Lo instigará a nossa capacidade de amá-Lo e de nos submetermos aos processos de santificação que nos aproximarão da realidade de uma noiva sem mancha e sem mácula, desejada por Cristo.

Permanecer em Jesus é o pilar fundamental apresentando ao longo destes estudos. É justamente esse o processo que permitirá a produção de frutos sinceros, de uma santificação que não é medida como um fardo, mas se apresenta no privilégio de vê-Lo face a face. Esse é o chamado para uma só coisa: o primeiro mandamento como o principal foco da vida cristã, em uma devoção simples que faz da nossa comunhão com Deus o lugar de verdadeiro encontro com Jesus.

Vida de Oração

Dwayne Roberts

A disciplina da oração é um dos pilares mais importantes da nossa caminhada cristã e é algo absolutamente essencial para o nosso desenvolvimento espiritual. A Bíblia nos mostra que o próprio Jesus retirava-se constantemente para orar em secreto e a partir deste lugar de oração Sua vida e ministério na Terra, o poder e a influência em que Ele caminhava, fluíam. Se Ele viveu assim, sabemos que devemos fazer o mesmo.

Por que motivo muitas vezes nos encontramos frustrados e entediados em nossa vida de oração? Como devemos orar? Quais são os benefícios de orar? Qual é o verdadeiro propósito de desenvolvermos uma vida de diálogo diário com o Criador?
Essas e outras questões serão alguns dos temas que abordaremos em nossos estudos de “Vida de Oração”, buscando encontrar a mesma satisfação, alegria, poder e propósito que Jesus encontrava em Seus encontros secretos com o Pai.

Desenvolver, em profundidade, nossa vida de oração é um convite do Senhor para uma jornada de relacionamento com Ele que começa agora e continuará por toda eternidade. Entender como usar esta ferramenta importante e como responder a este convite pode mudar para sempre as nossas vidas.