Vivemos para Deus. Então por que precisamos viver como igreja? Será que há necessidade de congregarmos em uma igreja local? A verdade é que o significado de congregarmos como igreja é essencial para nossa vida espiritual. 

Chateados com a Igreja local

Entendemos que alguns tiveram experiências negativas com igrejas locais. E isso possa ter afetado o compromisso com a comunidade e até mesmo como cristãos. Muitos se iludem com o que esperavam, e isso é difícil. Muitos também reconhecem que foram aquém com o que poderiam ter oferecido.

É verdade que a igreja, de forma geral, passou por uma fase na história que deu origem à consequências que vivemos hoje em nossa nação. Assumimos a igreja de commodity ou de mercadoria, que provocou uma grande mudança do propósito de nos reunirmos como igreja e até mesmo com o de sermos cristãos. Sofremos uma deturpação, e com isso, um desalinhamento do propósito original. Isso gera consequências até hoje.

Agora, precisamos reverter e voltar às origens. Precisamos das tradições e dos legados dos antepassados que conservaram a adoração ortodoxa e a reverência à palavra de Deus. Pois, eles nutriram a doutrina dos apóstolos em meio à tantas pressões contrárias. E da mesma forma, precisamos rever nossas motivações e nos curvar à essência do por que fazemos o que fazemos, e do motivo pelo qual nos reunimos como igreja.

Não acreditamos que o tradicionalismo seja resposta, mas um gesto de amor nosso para Deus. Pois isso nos leva a orar e amar a palavra dele, e a um amor ao próximo que nos leva a servir. 

Não podemos mais deixar perpetuar essa herança negativa

Desde as indulgências da Idade Média, até as muitas campanhas de libertação dos dias atuais, nos trouxeram a imagem de uma igreja que prega a salvação por obras ou por barganhas. O reflexo disso é o engano desmedido e um antropocentrismo escancarado. Nos curvamos ao silêncio, nos calamos diante dos sistemas de valores deste mundo. E nos juntamos ao lado deles assumindo uma adoração não característica da nossa fé.

Em meio a tudo isso, Deus preservou uma igreja que ora e que adora em espírito e em verdade. Àqueles que perseveraram até o fim, e nisto temos testemunhas fiéis (Hebreus 11). Da mesma forma, não queremos confinar a nossa fé às quatro paredes e nos tornar irrelevantes.

Podemos nos dispor a começar em nós o que Deus deseja fazer em toda a Terra. Temos ao nosso alcance a palavra e o Espírito de Deus que nos nutrem e nos ensinam a sermos igreja. Por isso, precisamos reconhecer que fazemos parte de um corpo. Não estamos sozinhos. E além disso, seremos guiados a nos afastarmos do individualismos e a procurarmos o entendimento da palavra para nos fortalecer mutuamente.

Reunidos como igreja

Quando nos reunimos como igreja conservamos as tradições. Somos alinhados e refinados na mesma palavra edificadora. Pois onde os cristãos estão, eles se unem para adorar. Eles demonstram a graça salvadora e redentora em ação de graças, e clamam pela volta do seu noivo.

Eles amam e ajudam os que estão iniciando na fé e também exortam uns aos outros. Além de alimentarem a consciência de que vivem para a audiência de um, não se considerando superiores a ninguém. E assim, eles vivem em unidade preservando a mesma mentalidade, o mesmo propósito. Assim, temos a consciência de que estamos diante do nosso Pai, praticando o evangelho da graça, perdoando uns aos outros da mesma forma como foram alcançados e perdoados por Cristo.

Quem somos nós neste mundo

Deus nos fez filhos além de nos tornar herdeiros do próprio Deus e da redenção do mundo. Ele também nos fez uma única noiva de Cristo. E o Novo Testamento nos mostra também que somos corpo deste mesmo Cristo. Com isso, não devemos visar ser superiores dentro deste corpo, porque até mesmo aquele que é o cabeça se humilhou. Ele nos ensinou a servir e mostrou o verdadeiro significado de se doar sem reservas.

E da mesma forma, não devemos nos considerar superiores àqueles que não creem em Cristo, porque na verdade somos agraciados. Fomos presenteados com o dom da fé, elegidos para uma nova vida. Mas somos semelhantes pecadores. E diante de tal presente nutrimos a esperança da eternidade, em que provaremos da obra completa de redenção.

Nos reunimos para a glória de um, e vivemos pelo mesmo motivo. Somos igreja, porque fomos enxertados, agraciados e presenteados com o mesmo dom da fé. E quem é presenteado dessa forma ganhou a vida e a eternidade. Assim, entendemos que a igreja não é um hospital, mas o aroma suave, a herança de Cristo e a noiva restaurada, que aguarda o grande dia do casamento celestial.

 

Miriã Oliveira

Miriã Oliveira é missionária intercessora em tempo integral na casa de oração Fhop. Atua especificamente no departamento de teologia, Escola de Teologia e Ministério. Advogada. Escritora. Ama crescer no conhecimento das verdades de Cristo e comunicá-las a fim de ajudar os jovens a serem convictos da sua fé e não se corromper diante da cultura.

Deixe uma resposta

×
×

Carrinho

Fechar